Temer discute nomes para novo ministério que cuidará da PF, esvaziando Justiça - Portal Picuí Hoje-O seu portal de notícias

O PORTAL DE NOTÍCIAS DE PICUÍ E REGIÃO

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Temer discute nomes para novo ministério que cuidará da PF, esvaziando Justiça


O presidente Michel Temer discutiu nesta quarta-feira (14) no Palácio da Alvorada a criação do Ministério de Segurança Pública que terá, entre outras atribuições, cuidar da Polícia Federal. O debate foi feito durante encontro com ministros e os comandantes das três Forças Armadas.


Pelo desenho em discussão, o Ministério da Justiça será esvaziado. A Polícia Federal, hoje subordinada ao MJ, será transferida para o novo ministério, assim como outras polícias.

A Polícia Rodoviária Federal também sairá do MJ. Na prática, os órgãos mais importantes que ficarão sob os cuidados da Justiça serão o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Fundação Nacional do Índio (Funai).

Temer quer assinar a medida provisória que instituirá a nova pasta ainda nesta semana. Um decreto posterior fará a separação das atribuições, segundo o blog apurou.

Hoje, o atual ministro da Justiça, Torquato Jardim, já é alijado de discussões centrais envolvendo a pasta, como ocorreu na escolha do novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia.

No discurso de Temer, criar um novo Ministério de Segurança Pública neste momento passa a ideia de que o governo federal está respondendo à crise de segurança e escalada de violência em diferentes estados do país, como o Rio de Janeiro.

Além disso, afirmam ministros, o presidente quer atender a parlamentares da chamada “bancada da bala” na Câmara dos Deputados, já que a pasta é um pleito deles desde 2017.

A discussão da nova pasta também desvia o foco da reforma da Previdência que, para o governo, nos bastidores, tem poucas chances de passar na Câmara.

Um dos nomes ventilados ontem na reunião no Alvorada por Temer para a vaga foi o do ex-governador Luiz Fleury, que estava no comando do governo de São Paulo quando ocorreu o chamado Massacre do Carandiru, como ficou conhecida a ação da Polícia Militar (PM) para controlar uma rebelião no pavilhão 9 da Casa de Detenção, na Zona Norte de São Paulo. Ao todo, 111 presos morreram naquele 2 de outubro de 1992.

Outro nome defendido por algumas alas do governo é o do subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha.

Com Blog da Andréia Sadi (G1).

Nosso colaborador

Nosso colaborador
Leia mais notícias no Portal Picuí Hoje, siga nossas páginas no Facebook, Twitter e Instagram. Não esqueça de ver nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Picuí Hoje através do Whatsapp (83) 9 9831-7020.