Alexandre de Moraes determina apreensão de passaporte e armas de Bolsonaro - Portal Picuí Hoje

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Post Top Ad

quarta-feira 03 2023

Alexandre de Moraes determina apreensão de passaporte e armas de Bolsonaro


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a busca e apreensão do passaporte e armas do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na Operação Venire, realizada pela Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (3). As informações são da GloboNews.

Segundo o despacho de Moraes, estavam autorizados "busca e apreensão de armas, munições, computadores, passaporte, tables, celulares e outros dispositivos eletrônicos, bem como de quaisquer outros materiais relacionados aos fatos aqui descritos" de Bolsonaro.

Seis pessoas foram presas na operação, são elas:

  • Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro;
  • Max Guilherme, ex-sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e segurança do ex-presidente;
  • Sergio Cordeiro, também segurança de Bolsonaro;
  • João Carlos de Souza Brecha, secretário municipal de Saúde de Duque de Caxias (RJ).

Operação Venire

A operação que prendeu Mauro Cid investiga um suposto esquema de inserção de dados falsos em carteiras de vacinação contra a covid-19, em sistemas do Ministério da Saúde. A ação realizada pela PF foi autorizada por Moraes, dentro do inquérito das 'milícias digitais'.

Além dos seis presos, também foram expedidos 16 mandados de busca e apreensão. Entre os endereços alvo, estão o do ex-chefe do Executivo. No local, a PF apreendeu o celular dele; o da ex-primeira dama Michelle Bolsonaro teria sido poupado. A investigação apura a falsificação de dados das seguintes carteiras de vacinação:

  • Jair Bolsonaro;
  • Laura Bolsonaro, filha do ex-presidente;
  • Mauro Cid, além da mulher e filha dele.

A operação foi realizada em Brasília e no Rio de Janeiro. Conforme a PF, os dados falsos foram supostamente inseridos, entre novembro de 2021 e dezembro de 2022, nos sistemas SI-PNI e RNDS do Ministério da Saúde. O objetivo era burlar as restrições sanitárias vigentes impostas pelo Brasil e Estados Unidos. Bolsonaro foi para os EUA no final de seu mandato, juntamente com os dois seguranças presos.

Foto: Wilton Junior/Estadão / Estadão.
Portal Picuí Hoje com Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário