Hidroxicloroquina: Secretaria de Saúde de Natal recomenda usar ivermectina para prevenir e tratar coronavírus ‒ SAIBA COMO - Portal Picuí Hoje

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

sábado, 6 de junho de 2020

Hidroxicloroquina: Secretaria de Saúde de Natal recomenda usar ivermectina para prevenir e tratar coronavírus ‒ SAIBA COMO

A Secretaria de Saúde de Natal (SMS) publicou nesta semana um novo protocolo para orientar médicos e profissionais de saúde em geral sobre o atendimento a pacientes com Covid-19, infecção causada pelo novo coronavírus. O protocolo traz desde instruções sobre o acolhimento de casos suspeitos nas unidades de saúde até terapias medicamentosas para casos graves confirmados.

O documento, aprovado pelo secretário de Saúde, George Antunes, e pelo prefeito Álvaro Dias, recomenda o uso de medicamentos como a hidroxicloroquina até para pacientes com sintomas iniciais da doença. Além disso, indica especialmente a ivermectina como medida de prevenção. Não são citados estudos que comprovem a eficácia de nenhum dos remédios para conter a Covid-19.

O protocolo registra que a Covid-19 tem três fases. A primeira, que pode ser assintomática, é chamada de replicação viral e tem duração média de 5 dias. Podem surgir sintomas como febre, tosse, mal-estar e diarreia. “Na maioria dos pacientes, em particular os jovens sem comorbidades (fatores de risco), a doença encerra-se nesta fase e evolui para a cura”, diz o relatório.

Já a segunda fase é denominada inflamatória e inclui a persistência dos sintomas iniciais com o possível aparecimento de falta de ar e alteração de exames laboratoriais. Nessa etapa da doença, caso não haja intervenção medicamentosa ou reação do próprio organismo, o caso pode evoluir para o comprometimento dos pulmões e redução da oxigenação do sangue.

O protocolo da Secretaria de Saúde de Natal afirma que “a intervenção nesta fase pode trazer impacto no curso clínico da doença, reduzindo a possibilidade de agravamento do quadro clínico e, consequentemente, podendo reduzir internações em UTI e necessidade de suporte ventilatório invasivo”.

Na terceira fase, o paciente evolui para insuficiência cardíaca e pode ter uma piora no quadro inflamatório, o que normalmente exige internação em unidades de tratamento intensivo. O cenário pode evoluir para óbito.

Segundo as recomendações da SMS, o tratamento em pacientes com quadro sugestivo para Covid-19 deve ser iniciado de forma precoce, de preferência até 48 horas depois do aparecimento dos sintomas (fase 1 da doença), mesmo que o nível de oxigênio no sangue esteja superior a 95% o raio-X de tórax apresente resultado normal. Os pacientes que estão no grupo de risco, como idosos, diabéticos, hipertensos e obesos, devem ter prioridade no tratamento.

O tratamento

Para pacientes no estágio inicial da Covid-19, o protocolo indica o uso de hidroxicloroquina ou difosfato de cloroquina associado a azitromicina e zinco quelato, além de antibióticos e Tamiflu caso haja suspeita de pneumonia bacteriana e gripe junto.

A Secretaria de Saúde recomenda aos médicos que, antes de prescrever a hidroxicloroquina ou a cloroquina, sejam realizados exames nos pacientes para que sejam identificadas eventuais contraindicações. O medicamento não é recomendado para cardiopatas, devido ao risco de arritmias.

Para os pacientes que não podem tomar cloroquina, o protocolo recomenda o uso associado de ivermectina e azitromicina, além de antibióticos e Tamiflu caso haja suspeita de pneumonia bacteriana e gripe junto.

O uso de corticoides, como a prednisona, não é indicado para a fase 1 da doença porque pode estimular a replicação viral.

Na segunda fase da doença, que comumente se inicia a partir do 6º dia de infecção, o protocolo da Secretaria de Saúde indica a adoção dos mesmos medicamentos da primeira fase, com a adição de corticoides e antitrombóticos (como a heparina).

Há também indicações para a fase 3 da Covid-19, mas elas são restritas a tratamentos no interior dos hospitais, em caso de internação.

Prevenção

De forma inédita, o protocolo também incluiu a recomendação da ivermectina como medida de prevenção à Covid-19. Segundo o documento, o remédio, que é um antiparasitário, tem diminuído a replicação do novo coronavírus em ensaios laboratoriais.

“Considerando seu perfil de segurança farmacológico (poucos efeitos colaterais), larga experiência de uso clínico em outras doenças, custo e comodidade posológica, esse medicamento revela-se como uma opção a ser utilizada não somente para tratamento, como também para a profilaxia, somada a outras intervenções não medicamentosas”, diz o documento.

De acordo com o protocolo, nesses casos (prevenção), a ivermectina deve ser usada por quem está altamente exposto ao vírus, como profissionais de saúde e da segurança, e por quem está no grupo de risco para a doença.

Para o primeiro grupo (profissionais de saúde), a recomendação da secretaria é tomar um comprimido de ivermectina 6 mg para cada 30 Kg de peso corporal, durante dois dias, e a cada 15 dias. Como exemplo, quem tem 90 Kg deve tomar três comprimidos em um dia e três comprimidos no outro – e repetir a dose duas semanas depois.

Já o segundo grupo de pessoas (que tem fatores de risco) deve tomar um comprimido de 6 mg a cada 30 Kg de peso corporal por apenas um dia, e a cada 15 dias.

O protocolo diz que é recomendável, após tomar duas doses do medicamento, avaliar a função hepática (fígado). Caso não haja alterações relevantes, o uso pode ser continuado. Também não se pode tomar mais que oito comprimidos por dia.

A utilização por pacientes jovens e saudáveis não é recomendado, assim como por crianças com menos de 5 anos, gestantes e lactantes.

Apesar de o protocolo trazer toda a forma de uso, incluindo dosagens, o documento diz que o uso deve ser orientado por um médico.

Com informações do Agora RN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nosso colaborador

Nosso colaborador