Governo da PB estima que pelo menos 16 paraibanos vivem na Ucrânia e devem ser repatriados - Portal Picuí Hoje

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

test banner ______________________________________________________________test banner

Governo da PB estima que pelo menos 16 paraibanos vivem na Ucrânia e devem ser repatriados

Pelo menos 16 paraibanos podem estar vivendo na Ucrânia e precisam ser repatriados à Paraíba, conforme o secretário de representação da Paraíba, Adauto Fernandes. Ele explicou que durante uma reunião na tarde desse sábado (26) com a embaixada da Ucrânia no Brasil, o Itamaraty confirmou que a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou dois aviões para que os brasileiros sejam repatriados.

A Ucrânia foi invadida por tropas russas. Na madrugada da última quinta-feira (24), a Rússia, com autorização do presidente Vladimir Putin, começou uma operação militar de ataque a Ucrânia. Vídeos divulgados mostram explosões e movimentações de tanques em diversas regiões ucranianas.

Entre os 400 brasileiros, o Governo da Paraíba estima que estão pelo menos 16 paraibanos. São professores, jornalistas, jogadores de futebol, empresários, funcionários na área de tecnologia e profissionais liberais.

O número de 16 é a quantidade de brasileiros que procuraram a embaixada da Ucrânia no Brasil para regularizar a sua entrada (no país europeu). Aí o perfil desses paraibanos é de jornalistas, jogadores de futebol, profissionais liberais e profissionais da tecnologia da informação”, esclareceu o secretário.

Ainda conforme o secretário, a orientação do governador da Paraíba, João Azevêdo, é manter contato permanente com os setores consulares do Brasil na Ucrânia e a embaixada da Ucrânia no Brasil.

Adauto Fernandes acrescentou que as autoridades brasileiras afirmaram que, a qualquer momento, irão divulgar o plano estratégico para repatriar esses paraibanos e brasileiros que continuam na Ucrânia.

Segundo ele, ainda não é possível saber o número exato de paraibanos, mas isso deve acontecer na decolagem dos dois aviões da Força Aérea Brasileira.

Ele acrescentou ainda que as informações a respeito da quantidade estão sendo preservadas por segurança porque o objetivo é que todos os brasileiros sejam repatriados com tranquilidade. Disse ainda que nem o Itamaraty nem a própria embaixada na Ucrânia têm esse número por estado.

Marcílio Araújo/Portal Picuí Hoje com G1 PB.