Câmara abre processo de cassação contra vereadores envolvidos na 'Xeque-Mate', na PB - Portal Picuí Hoje-O seu portal de notícias

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Câmara abre processo de cassação contra vereadores envolvidos na 'Xeque-Mate', na PB

Mais de um ano após a deflagração da Operação Xeque-Mate, a Câmara Municipal de Cabedelo abriu processo de cassação dos 10 vereadores que foram presos ou afastados do cargo por conta das investigações do esquema de corrupção na cidade. Os processos contra os parlamentares foram encaminhados ao Conselho de Ética da Câmara pela presidente da Casa, Graça Rezende (MDB), na última terça-feira (23). Os vereadores vão ser investigados por quebra de decoro.


Os alvos das representações na Câmara são os vereadores Jacqueline Monteiro Franca (PRP), ex-primeira-dama da cidade; Lúcio José do Nascimento Araújo (PRP), que era presidente da Câmara; Tércio de Figueiredo Dornelas (PSL); Antônio Bezerra do Vale Filho (PRP); e Júnior Datele (PEN), que foram presos na Xeque-Mate. O último foi solto e virou colaborador da investigação. Também correm risco de cassação Josué Góes (PSDB); Belmiro Mamede (PRP); Rogério Santiago (PRP); Rosivaldo Galan (PRP) e Moacir Dantas (PP). Estes foram afastados do cargo com a deflagração da Xeque-Mate.

O conselho de ética analisa se as representações devem prosseguir ou se elas devem ser arquivadas. Em caso de prosseguimento, elas voltam ao plenário da Câmara, onde a decisão por cassação ou não vai ser tomada. Segundo a Lei Orgânica do Município, para que os vereadores sejam cassados é necessário que dois terços da Câmara votem a favor.

Operação Xeque-Mate

Iniciada em 3 de abril do ano passado, além dos vereadores a Xeque-Mate também prendeu o então prefeito de Cabedelo, Leto Viana (PRP). A operação teve o objetivo de desarticular um esquema de corrupção na administração pública de Cabedelo, na Grande João Pessoa, mais precisamente na Câmara Municipal e na Prefeitura.

A partir da entrada de Leto na prefeitura, os integrantes do grupo teriam passado a praticar uma série de crimes,como desvio de recursos públicos através da indicação de servidores ‘fantasmas’; corrupção ativa e passiva; fraudes a licitações; lavagem de dinheiro; avaliações fraudulentas de imóveis públicos e recebimento de propina para aprovação ou rejeição de projetos legislativos. Na 1ª fase da operação, 26 pessoas foram denunciadas ao Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

Portal Picuí Hoje com G1 PB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nosso colaborador

Nosso colaborador